Username Password
 
Lembrar dados?
Entrar
Registe-se
Recuperar Password
Publicidade
Membros Online
+ 0 utilizadores ( visitantes e membros)
Publicidade

Notícias

Como não se perder no meio de um incêndio
sexta-feira, 14 de Maio de 2021 | 15:23   lida: 190 vezes

Os edifícios devem estar preparados para, em caso de incêndio, garantir a orientação das pessoas durante o processo de evacuação – o que se consegue através da implementação de Sistemas de Orientação para Caminhos de Evacuação de Segurança (SOCES) que, através de informação percetível e de indicações visuais, permitem que, em caso de emergência, as pessoas possam abandonar em segurança as áreas ocupadas.

Os SOCES devem, assim, garantir que as pessoas consigam ir de forma ordeira e segura, a partir de  qualquer área do edifício, para o ponto de encontro, sendo constituídos por componentes fotoluminescentes. No entanto, os SOCES não se destinam a substituir a iluminação de emergência – havendo situações em que esta iluminação não é necessária, mas outras em que traz benefícios  adicionais à totalidade do sistema de segurança.

Os SOCES são constituídos pelos seguintes  componentes visuais:
  • Sinais de evacuação e indicadores direcionais da saída mais próxima ou área segura
  • Sinais de evacuação
  • Linhas orientadoras e  indicadoras de acompanhamento direcional
  • Marcação dos limites dos caminhos de evacuação
  • Marcação das portas de saída de emergência
  • Marcadores para puxadores de portas e mecanismos de abertura
  • Marcação de equipamentos de combate a incêndio, emergência e segurança e dispositivos de alarme
  • Identificação de perigos específicos adjacentes e ao longo dos caminhos de evacuação
  • Identificação  de pontos de encontro e áreas seguras no final de um caminho de evacuação
  • Plantas de emergência
  • Marcação de caminhos de evacuação para uso específico por pessoas com mobilidade reduzida.
A instalação destes  sistemas deve ter em conta:
  • a sua ininterrupção até  ao ponto de encontro
  • o fornecimento de informação consistente e contínua
  • a instalação das linhas orientadoras colocadas a nível do solo
  • o reforço da visualização para ajudar a identificar varões e corrimãos
o assinalar das mudanças de direção, de destinos intermédios e finais nos caminhos de evacuação e dos equipamentos de emergência de combate a incêndio (indicados através de sinais de segurança localizados ao nível superior) e sinais de saída em situações de emergência (que devem estar colocados também ao nível superior).

Os SOCES devem ser eficazes por um período mínimo de 60 minutos, dando assim tempo suficiente para a evacuação. Mas, para que cumpram a sua função, é fundamental que os mesmos sejam visualmente inspecionados e limpos, por pessoa competente, em intervalos regulares. Qualquer deterioração, descoloração ou falta de componentes deve ser registada no livro de ocorrências para substituição imediata.

Fonte: APSEI – (Associação Portuguesa de Segurança)

Notícia inserida por: Administrador
Comentar Notícia
Acesso Reservado a Membros
Insira os seus dados de acesso a membros para poder efectuar um comentário.

Caso não seja um utilizador registado!
Ao realizar o registo pode aceder a todas as áreas restrictas do site.
O registo é GRATUITO.
Comentários Comentários a esta notícia ( 0 )
Share/Bookmark
Não existe nenhuma sondagem em curso...
Partilhe connosco alguma situação engraçada, curiosa ou estranha que tenha ocorrido no condomínio.

Porque nem tudo tem que ser aborrecido ou questões legais!
Como não se perder no meio de um incêndio
Perigos que vêm pela chaminé
Orçamento anual do condomínio é da responsabilidade dos condóminos
Infiltrações – Causas, consequências e repararações
Quem são os nossos vizinhos?
Manutenção das bocas-de-incêndio é obrigatória!
Extintor de água aditivada ABF: o mais indicado para o condomínio
Todos têm que participar nas inovações?
4 dicas para formar os futuros condóminos
Cuidado com o que guarda nas arrecadações!
COVID 19: Como é que os condóminos devem lidar com esta ameaça?
Elevador: a mais-valia da modernização
LDC alerta para lacuna fiscal na validação das faturas de 2019
Defeitos graves e não graves nas instalações de gás: quais são?
A importância dos hidrantes exteriores
Pesquisar